Poema para Chaplin

10 02 2010

Quis fazer um poema para Chaplin
E escrever um poema mudo

Mas como me calar diante deste mundo
Que você mesmo denunciou

Não falar destes tempos modernos
Onde homens aceitam se tornar maquinas
E desdenham quem não se torna uma engrenagem

Não denunciar o pequeno ditador de todos os dias
Que faz do carro seu tanque de guerra
De sua família um exército
De sua ignorância o mundo

Quando se apagam as luzes da ribalta
e já não brilham mais as telas de cinema
em um canto perdido do mundo
Uma boca muda se abre
e um garoto morre de fome

Deixo pra Chaplin um poema e uma promessa
Enquanto houver injustiça
Não faço poema mudo

Anúncios

Ações

Information

One response

12 04 2010
quel

mto foda, pim!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: