20 05 2010

Tinha um calendário que marcava os dias perdidos
Jogava pelo chão as folhas de dias passados
que se perderam, sem memórias ou marcas

Em alguns cantos havia fotos
que registraram momentos
e envelheciam com o tempo

Olhou-se no espelho
seu corpo carregava histórias
Um amor para cada ruga
Lembrava-se de cada cicatriz
mesmo aquelas da infância

Seu rosto já não era o que lembrava
Estava velho
Encarou seus próprios olhos
quis desvendar sua alma
e só então se deu conta do silêncio

Procurou uma grande foto sua
e rasgou, separando com as mãos seu rosto jovem
em um pedaço de papel

Por um momento escutou
o som produzido naquele trabalho

Colou um antigo rosto sobre si mesmo
No espelho

E olhou os olhos da foto
Que muito diziam
Contavam histórias de dias passados
felicidades compartilhadas

Percebeu que o rosto escondido pela foto
Era ele

E mais uma vez sorriu